sábado, 22 de novembro de 2008

PARA PENSAR! Competitividade Feminina

Num jantar exclusivo para 70 mulheres na zona sul de Porto alegre, me deparei com um questionamento super interessante.
Nesta janta tivemos uma pequena palestra de uma escritora e filósofa que falou da evolução da mulher ao longo das últimas décadas. Concluiu que ao longo do tempo a mulher foi tendo cada vez mais responsabilidades e tarefas e foi desenvolvendo uma incrível capacidade de realizar tudo de maneira quase senão perfeita. Disse que a mulher primeiro era somente dona de casa, esposa e mãe. Depois se tornou uma mulher independente e feminista,concorrendo com os homens num universo totalmente masculino, competindo igualmente por lugares no mercado de trabalho, se masculinizou se afastando totalmente da maternidade e casamento, colocando a carreira profissional em primeiro lugar. Hoje a mulher está encontrando um lugar que é só seu, ela assume a maternidade, o casamento e a fragilidade que é inerente ao feminino e sem ver algum problema nisto. Ela atingiu seu equilíbrio, assumindo sua feminilidade e sem deixar de ser bem sucedida profissionalmente. Conseguiu o TUDO! O que jamais nenhum homem vai conseguir, pois esta capacidade de realizar várias coisas ao mesmo tempo e fazer bem todas elas é exclusiva do dito sexo frágil. A escritora foi descrevendo a evolução feminina de forma fiel, sem distorções na minha opinião, e foi esta imparcialidade que lhe permitiu fazer um questionamento fantástico: ela disse que fica impressionada que a mulher conseguiu tudo mas insiste em competir com sua semelhante. Por que as mulheres têm tanto sucesso e ainda assim despendem tempo e emoções competindo entre si? A concorrência feminina é indiscutível. Estão sempre disputando lugares em diversos campos na nossa sociedade. Quem tem o melhor marido, quem tem o melhor carro, a melhor casa, o filho mais bonito e inteligente, quem é mais bonita, quem viaja mais, quem tem mais sucesso profissional, quem arranca mais suspiros dos homens... vários são os pontos que evidenciam esta rivalidade. Como é difícil uma mulher elogiar outra (que não seja sua amiga) com sinceridade, como é difícil para uma menina admitir que a coleguinha é linda e ainda super legal. As mulheres mais lindas são tidas por burras, pois não se admite que alguém seja tão impecável. Será que competem entre si porque não acham outro rival a altura? E se tivessem, será que competiriam também? Claro que sim! A filósofa não teve resposta para esta pergunta, mas eu ouso ter a pretensão de tentar responder.
As mulheres estão vivendo mais do que nunca um grande vazio que pensavam que seria totalmente preenchido com sucesso em todos os campos da vida. Se iludiram e continuam se iludindo década a década. Não se dão conta de nada disso, pois acham o comum muito normal. Não se questionam, pois todas pensam e agem de forma parecida e inspiram inclusive grandes escritores a escrever sobre o comportamento feminino, pois todas se parecem, têm as mesmas reações, emoções. O comportamento feminino se padronizou, ficou estigmatizado. Mulheres são contraditórias, impossíveis de serem entendidas, complexas e somente aos olhos dos homens são adoráveis. Pois outra mulher dificilmente reconhece a perfeição na outra, sabem por que? Porque não se reconhece aquilo que não se conhece. Se nunca vimos algo, como vamos reconhecer? Me incluo na primeira pessoa do plural porque sou uma mulher e me sinto igualzinha a todas neste aspecto. E sabem por que não conhecemos a perfeição??? Porque não nos permitimos olhar para nós mesmas. Somos seres perfeitos por natureza e se não sabemos disto é porque com toda certeza nunca olhamos de verdade para quem somos em essência. Nos falta silêncio, tagarelamos com caturritas todo tempo, se não em voz alta, gritamos por dentro. Precisamos silenciar nossa mente e escutar o que nos diz nosso coração. Temos sem dúvida energias diferentes entre nós mesmas, mas como seres humanos temos características divinas muito parecidas, e esta semelhança nos torna muito diferentes umas das outras. O que temos em comum é a acessibilidade que temos do divino, do que chamo de verdade interna, do que chamam de eu superior. Todas temos todas as verdades dentro de nós, todos os segredos, todos os sentimentos existentes em todo universo. O que nos torna um ser único em todos universos está justamente dentro desta verdade divina. O que nos torna única e diferente é que quando acessamos esta fonte verdadeira de paz, nos tornamos diferente de tudo e de todos, porque acessamos o que é somente nosso. Acredito que a chave da porta que abre isto tudo é aceitar. Quando aceitamos, amamos. Quando aceitamos, não precisamos ser melhor nem pior, somente se é. O amor incondicional que tanto falamos, infelizmente ainda não conhecemos, mas podemos vislumbrar um pouco dele quando conseguimos transcender as normas que nos fazem julgar o que é certo e errado, o que é bonito e feio, o que é bom e mau. O mais perto do amor incondicional que conhecemos é o amor de mãe, que ama incondicionalmente seu filho ele sendo bonito ou feio, bom ou mal, saudável ou não. Quando conseguimos isto conosco mesmas, conseguimos nos aceitar e nos amar como somos, aí poderemos ser livres para simplesmente viver nossa essência sem medo de não sermos aceitas e principalmente, reconhecer na outra toda beleza que conhecemos através de nós mesmas. Não teremos mais problemas com a nossa aparência interna ou externa, pois reconheceremos a grandiosidade de sermos belas simplesmente pelo fato de sermos o que somos.
Encerro com um poema que peguei não sei onde nem quando na internet, peço desculpas ao autor pelo descuido mas o parabenizo pelas lindas palavras que tocaram fundo no meu coração.

Perguntei ao sol:

Qual o segredopara sempre iluminar?
Ele respondeu:
Perca o medo,deixe seu coração falar!
Perguntei a flor:
Qual a magiapara tudo perfumar?
Ela respondeu:
Sorria!Só amor irá exalar.
Perguntei a lua:
Qual o mistériopara o poeta inspirar?
Ela disse baixinho:
Aceite o brilho dos outros,
Você também pode brilhar!!

Pensem nisso no final de semana!!!!
Deixem comentários, preciso saber a opinião de vocês sobre este assunto.
Megabeijo, bom findi e até!

7 comentários:

Alice disse...

Minha afilhada querida, adorei tuas palavras, teu talento e tua LUZ, estão cada dia mais fortes em tudo que fazes, e agora colocando no blog teus pensamentos, vens acrescentar teus dons à vida das mulheres que gostam da vida e de coisas boas também, como dizes, por que não??????Que Deus te dê mais e mais conhecimento e sucesso para continuares dividindo conosco tudo de bom que és.....te amoooo bju dinda

Laurinha disse...

Adorei o texto!! Estás te saindo melhor do que a encomenda!! (achei que quem gostava de escrever na família fosse eu!!!) Divulga bastante o blog, tomara que muitas mulheres leiam, tá valendo muito!

A autora do poema que postastes é Sirlei L. Passolongo e está publicado no blog dela: http://sirleipassolongopoesias.blogspot.com/2007/07/brilhe-perguntei-ao-sol-qual-o-segredo.html

Mil beijos, já com saudades ... (apesar do dia perfeito juntas!!!)

te amooo muito!
Lalá

Gabriela disse...

Parabéns! Você escreve muito bem! Inclusive esse texto serviu para um trabalho da Facul!! rs.. Muito bom!

IGOR MUNIZ disse...

Discordo quando você admite a perfeição humana, mas o teor do texto está interessante. O que falta não só às mulheres, mas a nós homens também é a noção do seu papel como ser humano na Terra. O que nos faz acordar de manhã não pode ser mera mesquinhez. É preciso estar com a mente voltada à evolução. Nos relacionamentos, esse vazio em nós é visto com a expectativa de que o outro irá preenchê-lo, daí tantos homens estarem em depressão por não conseguir entrar no padrão cada vez mais exigente das mulheres modernas que só o fazem por tortura mental, tentando desviar de si a responsabilidade pela própria felicidade.

É bom saber que existem mulheres como você, pois hoje vivemos numa sociedade de crianças crescidas, esperando a punição do papai-do-céu.

Letícia Villwock disse...

Oi Igor!
Obrigada peloa participação no blog. Escrevi há bastante tempo este texto. O teor do que escrevo, depende da fase de vida que estou e do que estou vivendo naquele momente, sempre tem muito de mim em tudo que faço. Como sou uma metamorfose constante, graças a Deus, mudo a forma e as vezes até o conteudo!
Leste o texto que escrevi sobre relacionamentos modernos??? Falo exatamente disto! Adorei a tua última frase, "crianças crescidas esperando a punição do papai do céu" Adorei!!!! Abraços e mais uma vez obrigada.
abraços
leticia

Cão disse...

que chororô!! vocês mesmo criaram esse sistema agora tão ai reclamando??

Letícia Villwock disse...

Exatamente, meu querido Cão!!!! Fomos nós mesmas, falo exatamente disto no texto!!!!!! Inclusive eu!!! Se tiveste entendido o texto terias percebido!
Abraços